RESENHA: APOKALYPTIC RAIDS - The Pentagram (2018)
22/08/2018 11:56 em Resenhas

 

 

APOKALYPTIC RAIDS

Brazil | Black/Death/Thrash

Álbum: The Pentagram (2018)

Gravadora: Hells Headbangers

Resenha feita por: Reinaldö S.Steel

 

Quem tem boa memória, lembra que em 2000, estava rolando no mundo da música mais uma moda. Dessa vez a do Metal Melódico e na parte do underground e na contra mão disso tudo, e particularmente aqui no Brasil, o Metal Extremo estava em alta!

Grandes bandas fizeram parte dessa fase: Krisiun, Metal Horror, Fornification, Bestial, Funeratus, Rebaelliun, Horned God, o veterano Headhunter D.C, dentre outras, faziam a cabeça dos Hellbangers.

E lá nas profundezas do Hell de Janeiro, uma banda chamada Apokalyptic Raids, lançava um álbum com uma sonoridade que não tinha nada a ver para os padrões da época. Você ouvia o material, e conseguia ser transportado no túnel do tempo, de volta aos anos dourados dos anos 80, onde bandas como Venom, Bathory e Hellhammer mandava ver nos porões do underground.

Após 17 anos, 4 álbuns de estúdio lançados, eis que chega na cena o 5° e um dos trabalhos mais aguardados do underground nacional! 

Vale ressaltar que esse ano a banda também lançou seu primeiro ao vivo oficial "Why We Play Such Good Shows pt.1". Gravado no Chile, álbum que saiu por enquanto somente em LP, mais uma particularidade e conhecida prática da banda em cultuar esse formato!

Mas vamos deixar a resenha desse Live para outra ocasião.

Vamos ao novo trabalho, o álbum batizado de "The Pentagram".

Formação: Leon Mansur "Necromaniac"(Guitarra & Vocal), Pedro Rocha "Skullkrusher" (Bateria) e Vinícius "Hellpreacher" (Baixo).

 

Antes de realizar essa resenha eu tive o prazer de assistir ao lançamento desse artefato lá no RJ, no evento Satan's Revenge. Então me acho apto a ter essa responsabilidade de resenhar um play de uma banda que pra mim é referência de sonoridade e atitude Banger.

Quem conhece os integrantes, sabe que todos respiram o Metal 24 horas por dia, e em um mundo de pseudo headbangers, isso já valeria muito a aquisição de qualquer material da banda.

 

Vamos aos sons:

 

01- Necromaniac (is Back)

. Sabe aquela faixa que abre um álbum do estilo e já te deixa com a impressão que valeu a pena?

Está tudo ali, aquela microfonia que virou a marca registrada da banda, aquela pegada de caixa que Skullkrusher sempre fez tão bem, e aquele som estourado do baixo de fundo. Não tinha título melhor para batizar esse primeiro som, a impressão que dá que esse som se encaixaria perfeitamente no primeiro álbum da banda, lançado lá atrás, em 2001!

 

02 - Satan Laughs

. Aquele som que obriga o público abrir rodas em qualquer pista de evento que seja. O som que você não consegue ficar parado, como diz um camarada, som para você sair socando quem estiver pela frente.

Refrão maneiro, nos bons e velhos moldes dos anos 80! Tom Warrior não tem idéia do que ele foi responsável, até agora o som que mais me empolgou e que terá ser obrigatório nas futuras apresentações.

 

03 - Victory Beyond Imagination

. Eis que chega aquele som, de refrão grudento, que por semanas insiste em permanecer em sua mente. Desde quando me entendo por fã de Metal, o que mais me chamou atenção foram esses refrãos, que automaticamente te leva a entoa-lo em qualquer lugar que esteja, sem se importar com quem esteja ao seu lado.

 

04 - The Ghost of the Hammer

. Se o som anterior já conquistava pelo poderoso refrão, eis que aparece aquele som que te faz erguer os punhos em direção ao céu, coisas que só quem curte Metal expressa, porque a única explicação desse efeito é o poder que algumas canções possuem e quando isso acontece, você tem a certeza que irá sempre querer repetir essa sensação! Vale ressaltar a pegada que lembra muito as antigas bandas de Hardcore dos anos 80, pegada muito usada em várias bandas de Metal do passado. Eis que surge aqueles solos "Made in Leon": sombrios e cheio de ecos. Esse som te dá a sensação de estar diante de um abismo recheado de almas em um interminável tormento.

 

05 - My Triumph

.Mais uma porrada para te fazer sair dando socos ao ar!!! Comparando esse trabalho com o antecessor 'Vol. 4 - Phonocopia' (lançado em 2010), ele soa muito mais energético, e prova que esses últimos anos que a banda esteve na estrada só foram benéficos! O vocal do Leon continua potente e mantendo as raízes Hellmaniaquianas.

 

06 - Occult & Real

. Esse som deveria ser batizado de Speed is Real, que velocidade meus amigos! Som que também me prova muitas coisas, uma delas é que bandas como o APOKALYPTIC RAIDS são como um Motorhead ou um AC/DC, não decepcionam seja em qualquer fase da carreira, sempre vai ter aquele som que cutuca o fã e prova que realmente curtem o que fazem e para quem servem: Som de Headbanger para Headbanger!

 

07 - Letter from Lucifer

. Outra música perfeita para estar em apresentações da banda. Os arranjos foram muito bem criados e o refrão nos remete aos sons do segundo álbum e o meu preferido, "

The Return of the Satanic Rites" e se o Diabo é o Pai do Rock, ele realmente participou desse som, mesmo que seja dando gargalhadas.

 

08 - Keep My Grave Open

.Fazia tempo que eu não batia cabeça do início ao fim de um novo álbum de metal Nacional. Cada som desse play te faz ter a certeza que valeu muito a pena de tê-lo adiquirido. Mais uma vez tenho a certeza que hoje em dia o "pouco é muito" e só os cultuadores desse tipo de som me entenderão.

 

09 - The Story of Pope Joan

. Me sinto feliz em estar fazendo uma resenha de um disco de uma banda que sou fã, e ainfa mais feliz por essa música em questão ter sido a última, porque desconfio que caso contrário, eu iria ocupar todo espaço com adjetivos e elogios para esse som em questão. Mas o que me chamou mais atenção para essa faixa? Resposta: A banda me surpreendeu! Vc está ali batendo cabeça com cada som quando derrepente inicia aquela sonoridade, que você está abtuado a escutar no som de outras bandas, mas no som do APOKALYPTIC RAIDS não. Como diz um velho amigo que viveu os anos 70, que puta HEVÃO, isso mesmo, "The Story of Pope Joan", foi feita nos moldes das velhas e amadas bandas de Metal tradicional dos 80, referências não faltam, mas a que me vieram a cabeça foram o Running Wild e o Manowar, e o início o Desaster.

 

Como de costume a banda sempre solta um cover escondido e dessa vez veio com Massacra, som perfeito para fechar com chave de outro um play que vai ser difícil de tirar da cabeça.

 

Como de praxe, esse item também está sendo lançado em CD, LP e Cassete.

 

Muitos dizem que o Metal está com os dias contados, eu digo: Enquanto existirem bandas com essa proposta, a chama nunca se apagará!!!

Apokalyptic is Back \.../

 

 

Tracklisting for Apokalyptic Raids' The Pentagram:

 

1. Necromaniac (is Back)

2. Satan Laughs

3. Victory Beyond Imagination

4. The Ghost of the Hammer

5. My Triumph

6. Occult & Real

7. Letter From Lucifer

8. Keep My Grave Open

9. The Story of Pope Joan

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!