Quinta-feira, 3 de março de 2016 às 14:15 em Resenhas
RESENHA: HADENS - Hadens (2016)

Hadens - Hadens

 

É inegável o papel que a Noruega teve para o Black Metal. Por mais que muitas bandas de lá acabaram mudando com o passar o tempo, ainda há um cenário pulsante na terra dos fjords.

Prova disso é "Hadens", primeiro full-lenght da HADENS.

Que disco tosco e sujo!

Não se engane com o início cadenciado de "Possessed". Esse andamento mais lento conferiu ao som da banda um peso pouco visto antes nas bandas daqueles lados, provando que é possível sim ser pesado sem ser ultrarápido. Mas logo a banda acelera a velocidade, mantendo todo o peso característico. 

"Witchcult" vem na sequência, com a participação de Henrik Skar (Guitarrista da norueguesa VINTERBRIS) nas guitarras e vocais, o que deixou a música com passagens mais melódicas que as demais. Isso não foi algo ruim para o som, já que esta é um dos destaques do play.

"Northern Landscapes" e "Bjorgvin" mantém a pegada das faixas anteriores: Peso, agressividade alternando com momentos mais cadenciados, tudo isso aliado aos potentes vocais de Emperor Shredhammer. Vocais difíceis de se encontrar no Black Metal.

Lembra de "Witchcult"? Pois ela rivaliza como melhor momento do disco com essa faixa aqui: "Unholy Empire". Que faixa! Grande trabalho das guitarras de Abaddon e Emperor Shredhammer, assim como a coesão entre a bateria de Bergtroll e o baixo de Molekh. Difícil não se manifestar na excepcional introdução desta faixa!

O curto disco (pouco mais de 25 minutos) fecha com a grande "A Journey", uma faixa que mantém o nível do disco lá em cima.

A HADENS ainda é bem desconhecida dos amantes do Metal Negro, porém é uma grata surpresa vinda das terras que já produziram tantos clássicos do estilo. 

(Por: Daniel Aghehost)

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!